sexta-feira, 29 de abril de 2011

Ícones Negros: Billie Holiday



Americana da Filadélfia e criada em Baltimore, Eleanora Fagan Gough teria completado 96 anos neste mês de abril, se ainda estivesse viva. Adotando o nome de Billie Holiday (Lady Day para os ínitmos), ela se tornou a maior cantora de Jazz que se tem notícia, segundo especialistas no assunto. Antes de chegar ao estrelato, Billie teve uma infância trágica e pobre. Abandonada pelos pais adolescentes, abusada sexualmente, acabou na prostituição ainda enquanto estava crescendo. O envolvimento com drogas era algo presente em sua vida.
Contudo, sua sorte começou a mudar quando se mudou para Nova Iorque com a mãe que voltara quando ela tinha 14 anos. Na década de 1930 começa sua carreira como cantora, atuando em barzinhos no Harlem e em outros lugares. O reconhecimento veio em meados desta década, em que Billie cantava composições próprias sobre as dificuldades que teve na vida. As músicas possuíam uma tristeza profunda, ao mesmo tempo em que a delicadeza de sua voz encantava a todos. "Strange Fruit", apesar de não ter sido escrita por ela, passou a ser mundialmente famosa após Billie emprestá-la a sua voz. A canção critica o racismo e a violência contra os afro-americanos, principalmente após o linchamento até a  morte de dois jovens negros. Realidade que ela conheceu na pele.
A partir da década de 1940, seus problemas com álcool e drogas começaram a se agravar e lhe custariam a vida. Atrapalhavam sua performance nos palcos e lhe causavam muita depressão. O último show de Billie Holiday foi em junho de 1959, em um evento beneficente em Nova Iorque, quando chegou a ser presa por porte de drogas. No mês seguinte, dia 17 de julho, Billie faleceu por overdose de drogas misturadas com álcool. Uma cantora fantástica, mas com uma vida conturbada e triste...

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas. O que fazer pra valorizar mais estas profissionais e combater o racismo?

A importância de ter negros com conhecimento e engajamento nas questões raciais no poder político, independente de sua filiação partidária é a realização de ações mais concretas em favor das populações negras ou menos favorecidas. Diante disso, transcrevo o pronunciamento do Deputado Federal Luiz Alberto (PT-BA) em que ele fala do que já vem sendo feito em prol destas trabalhadoras.
Antes que me crucifiquem, eu sei que a atividade doméstica não é exclusiva das mulheres negras, mas seu grande contingente não pode ser desconsiderado. Esta é a razão desse post. Segue o pronunciamento:



O trabalho doméstico é uma ocupação das mais antigas do Brasil e tem suas raízes estruturadas na escravidão e na subalternidade. É também uma das profissões que gera maior discriminação no mercado de trabalho. Neste dia 27 de abril, no qual comemoramos o Dia Nacional das (os) Trabalhadoras (es) Domésticas (os), é triste ainda ter que constatar tais índices negativos.
Hoje, 15,8% representa a ocupação feminina nesta profissão, o que corresponde a quase 7 milhões de mulheres, 72,8% delas sem carteira de trabalho assinada. Entre as mulheres negras, 20,1% das ocupadas são trabalhadoras domésticas. Dentre as mulheres brancas, amarelas e indígenas ocupadas, o trabalho doméstico corresponde a 12% do total da sua ocupação – conforme dados do IBGE (2008).
Por ser um trabalho realizado dentro de casa, se tornou tradição entre os empregadores não reconhecer o trabalho doméstico como uma profissão. No Brasil, somente 26,8% da categoria tem carteira assinada. Entre as (os) que não têm carteira assinada, as mulheres negras são a maioria (59,2%).
Em 2006, o ex-presidente Lula, sancionou a Lei 11. 324 para incentivar a formalização do trabalho doméstico, editado, em março de 2006, a Medida Provisória 284, transformada, em agosto do mesmo ano, na Lei 11.324. A lei permite que o contribuinte que paga Imposto de Renda (IR) e emprega um trabalhador doméstico deduza na declaração do Imposto de Renda os 12% recolhidos mensalmente à Previdência Social referentes à contribuição patronal. Atualmente, existem 6,5 milhões de empregadas domésticas no país - 4,8 milhões trabalhando na informalidade.
A Lei 11.324 também assegurou novas conquistas às trabalhadoras domésticas, resultado de intensos debates do Governo Federal com o Congresso Nacional e com as associações e sindicatos de trabalhadoras domésticas. A partir da sanção da lei, as trabalhadoras domésticas passaram a ter direito a férias anuais de 30 dias, repouso semanal remunerado aos domingos e feriados e a estabilidade no emprego desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. A empregadora ou empregador não poderá mais descontar do salário despesas com alimentação, moradia e material de higiene.
Em abril deste ano, foi aprovada, por unanimidade, a constitucionalidade do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 1.652/03, de minha autoria, que altera a Lei 5.859/1972, a qual dispõe sobre a profissão de trabalhadora doméstica e dá outras providências, como a proibição dos empregadores de efetuar qualquer desconto nos salários da empregada que não os determinados por lei.
O nosso projeto é importante para reconhecer e inibir condutas discriminatórias existentes no trabalho doméstico, é um resgate necessário que contempla a maioria da população brasileira deste país, que deve ser levado em consideração pelo poder legislativo e alterado no que for necessário para que possamos minimizar as desigualdades existentes neste setor.
São ações como estas que vão impedir que as trabalhadoras domésticas deixem de ser tratadas e vistas como “animais de trabalho” e viabilizarão a hegemonia desta atividade como profissão.
Parabéns a todas as trabalhadoras (es) domésticas (os), vamos continuar na luta por justiça.


Deputado Federal Luiz Alberto (PT/BA)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

"Se você se atreve a lutar, você ousa vencer. Se você não ousa lutar, então você não merece ganhar. Deixe-me dizer 'Paz' pra você, se você está disposto a lutar por ela."
(Fred Hampton, citado por Naiana Sundjata.)
22 de abril, dia do "descobrimento" ou início do nosso sofrimento?
Não sei se temos muito a comemorar não...

quinta-feira, 14 de abril de 2011

MV Bill - Preto em Movimento


Esse clipe de MV Bill passa uma mensagem de esperança, de valorização do sentimento de Orgulho Negro, nos dá uma perspectiva de futuro.
Ele fala que nós Negros devemos fugir dos estereótipos, dos papeis que o sistema tenta nos impor desde que o primeiro ancestral africano foi escravizado e trazido pra essa terra. Podemos sair de uma escola pública e alcançar nossos objetivos.
Mais que isso: podemos TER objetivos!
Nossa gente infelizmente ainda tem medo de sonhar. De ter objetivos concretos, sonhos de uma vida melhor.
Essa música, como a chama de uma vela em um quarto escuro, ilumina e aquece nossos corações.


UFANISI PARA TODOS!!!

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Calendário Negro - Abril



01 - Primeiro Festival Mundial de Arte Negra, Dakar, Senegal  (1966)
01 - Criação do Partido dos Panteras Negras, EUA (1967)


02 - Nasce em Washington (EUA), o cantor, compositor, baterista, pianista, arranjador e produtor Marvin Gaye. Faz parte de seu repertório, sucessos como: "What's Going On", "Let's Get It On", "Sexual Healing". (1939)
02 - Criação no bairro de Madureira (RJ), do Grupo Afro-Cultural Agbara Dudu, que em iorubá significa "força negra", o mais antigo bloco-afro do Rio de Janeiro. (1982)
02 - Morre aos 66 anos de idade, de câncer no pulmão, a cantora norte-americana, musa do jazz, Sarah Vaughan. (1990)







04 - Morre assassinado na cidade de Memphis, Tenesse (EUA), aos 39 anos, o grande líder dos direitos civis americanos, e Prêmio Nobel da Paz, Martin Luther King Jr. (1968)
04 - Criação do bloco afro Agbara Dudu, que significa "Força Negra" em iorubá, o mais velho bloco afro do Rio de Janeiro, RJ (1982)
04 - Tem início em São Paulo, o I Encontro de Padres e Bispos Negros. (1989)
04 - Nasce nos Estados Unidos, o ator e produtor Eddie Murphy. (1961)
04 - Nasce em Rolling Forks, Mississipi (EUA), o músico e cantor de blues Mckinley Morganfield - Muddy Waters, um dos maiores mestres do blues urbano. (1915)
04 - Independência do Senegal. (1960)


05 - Nasce o grande capoeirista Vicente Ferreira Pastinha, "Mestre Pastinha"  (1888)
05 - Nasce o compositor Joaquim Maria dos Santos, Donga, autor de Pelo Telefone, primeiro samba gravado

05 - Nasce nos Estados Unidos, o educador Booker T. Washington. (1856)

06 - Morre em Pelotas (RS), Maria Salomé da Silva Santos, a primeira mulher e única negra a tocar órgão na catedral de Pelotas. (1951)

07 - Morre no Fort-de-Joux, França, o ex-escravo Toussaint L'Ouverture, líder da independência de São Domingos, atual Haiti. (1803)
07 - Nasce em Baltimore (EUA), a cantora imortal, Billie Holiday, consagrada através de canções como: "Strange Fruit", "God Bless the Child", "Solitude", "My Man", "Don't Explain", entre outros. (1915)
07 - Dia da Mulher Moçambicana - Em homenagem a Josina Mutamba Machel, comandante do destacamento de mulheres da FRELIMO e chefe de Assuntos Sociais do Departamento de Assuntos Exteriores de Moçambique.


08 - A atriz Ruth de Souza recebe em Brasília a Comenda do Grau Oficial da Ordem do Rio Branco da República Federativa do Brasil, por sua contribuição ao cenário artístico brasileiro. (1988)

11 - Morre no Rio de Janeiro, a baiana Hilária Batista de Almeida - Tia Ciata, pioneira do samba carioca. (1924)
11 - Nasce em Pernambuquinho (RN), a escritora, militante do Movimento Negro em Pernambuco, Inaldete Pinheiro de Andrade, autora de "Cinco cantigas pra você contar", "Pai Adão era nagô", "Palavras de mulher". (1946)
11 - Morre aos 76 anos, no Hospital Ipanema (RJ), vítima de câncer pulmonar, João Francisco dos Santos, Madame Satã, o primeiro travesti artista do Brasil. (1976)


15 - Nasce o compositor do Hino à Bandeira, o negro Antônio Francisco Braga (1868)

18 - Independência do Zimbabue. (1980)
18 - Independência de Serra Leoa. (1971)








21 - Inauguração do Estádio São Januário, do Vasco da Gama, 1º time do Brasil a aceitar negros e operários. O estádio foi construído pela própria torcida, diretoria e jogadores. (1927)

23 - Dia consagrado ao orixá Ogum no Rio de Janeiro.
23 - Nasce em Salvador ( BA), a negra Hilária Batista de Almeida, Tia Ciata ou Asseata, uma das tias baianas do samba carioca. (1854)
23 - Nasce no bairro da Piedade (RJ), o compositor e músico Alfredo da Rocha Viana Júnior - Pixinguinha. Ganhou a imortalidade compondo músicas como: "Ingênuo", "Lamento", "Rosa" e "Carinhoso". (1897)


25 - Nasce em Newport New, Virgínia (EUA), a cantora de jazz Ella Fitzgerald, uma das musas da canção americana. (1918)
25 - Nasce em Indianola, Mississipi (EUA), o cantor e guitarrista Albert Nelson - Albert King, um dos grandes expoentes do blues. (1923)
25 - O Bloco Afro Olodum é criado em Salvador, BA (1979)


26 - Nasce Benedita da Silva, primeira mulher negra a ocupar o cargo de governadora / 1942
26 - Iniciam-se as primeiras eleições multirraciais na África do Sul (1994)


27 - Independência do Togo
28 - No bairro de Guaianazes, São Paulo, o trabalhador Robson Silveira da Luz, é morto vítima das torturas policiais. Este fato, aliado a outros, levou a criação do Movimento Negro Unificado. (1978).
28 - A Ialorixá Mãe Stella de Oxossi recebe da Câmara Municipal de Salvador (BA) a Medalha Maria Quitéria, a mais alta comenda concedida à mulheres de destaque na Bahia. (1995)


29 - Nasce em Washington, D.C. (EUA), o músico Edward Kennedy Ellington - Duke Ellington. (1899)

30 - Morre Shaka, estrategista militar e grande rei dos zulus. (1828)
30 - Dia Nacional da Mulher
30 - Nasce em Salvador (BA), o compositor Dorival Caymmi, autor de "O que é que a baiana tem ", "O Mar", "Dora", "Acalanto", "Oração de Mãe Menininha". (1914)