segunda-feira, 22 de maio de 2017

O Princípio da Reciprocidade


“Eu acredito na irmandade entre os homens, todos eles, mas eu não acredito em irmandade com alguém que não a quer comigo. Eu acredito que devemos tratar bem as pessoas, mas eu não vou perder meu tempo tentando tratar bem uma pessoa que não sabe retornar esse tratamento.” 

sábado, 20 de maio de 2017

As desigualdades sociais do Brasil em números e a importância das Ações Afirmativas


#Balanço2016: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua
O Rendimento Médio Real Habitual para o Brasil em 2016 foi estimado em R$ 2.029. Nas regiões Nordeste e Norte, foi registrado rendimento médio inferior à média nacional. Já no Sul, Centro-Oeste e Sudeste, o rendimento médio ficou acima do apurado para o país.
Quanto ao sexo dos trabalhadores, também foi registrada significativa diferença em 2016. O rendimento médio das mulheres não chegou a 78% do recebido pelos homens.
Quando analisamos por cor ou raça, o rendimento médio dos pardos e dos pretos correspondia, respectivamente, a 56,6% e 55,7% do rendimento dos brancos.
Mais informações sobre a pesquisa: http://bit.ly/PNADContínua_4tri16. Confira no álbum http://bit.ly/BalançoIBGE2016 outros posts do #Balanço2016.
Fonte: IBGE

A análise destes dados reflete a desigualdade histórica e o abismo sociorracial existentes no Brasil que, apesar de terem diminuído nos últimos anos, permanecem extremamente graves. Numa interseção rápida entre os indicadores, não é difícil observar que o homem branco do Sudeste recebe muito mais que a mulher Negra do Nordeste, por exemplo. Curiosamente, ele é quem mais reclama sobre a "injustiça das cotas" e sobre os "privilégios do Bolsa-Família", em que, na sua visão deturpada, as mulheres nordestinas engravidam propositalmente, em troca deste "benefício". Literalmente, o detentor deste tipo de discurso é "gente que vive chorando de barriga cheia", como diria Zeca Pagodinho, em Maneiras.
As políticas de Ações Afirmativas e de combate à pobreza, tais como o sistema de cotas, os programa de transferência de renda, as bolsas de estudo e o financiamento estudantil, por exemplo, são fundamentais, a priori, para diminuir os abismos entre as classes e as raças, embora estas não devam ser definitivas nem eternas. Como principal argumento contra essas medidas, os historicamente privilegiados argumentam que "somos todos iguais", mesmo que todos os indicadores digam o oposto. 
É preciso analisar os dados e observar a realidade em que vivemos de maneira mais ampla, antes de sair pela internet  emitindo opiniões "achológicas", baseadas meramente no preconceito ou no medo de uma inversão nesta pirâmide. Só que não dá pra esperar coerência de quem alimenta o racismo, o sexismo, a xenofobia e as desigualdades sociais, como se estes problemas não existissem.





quinta-feira, 18 de maio de 2017

domingo, 23 de abril de 2017

Sugestão de Leitura: "As Almas da Gente Negra", de William E.B. DuBois


Aproveitando que hoje é o Dia Mundial do Livro, "As Almas da Gente Negra", de William Edward Burghardt Du Bois, é um dos livros mais importantes da minha vida acadêmica e da minha formação enquanto homem Negro (foi com ele, inclusive, que aprendi a escrever "Negro" assim, sempre com a inicial maiúscula). "A sombra do Véu", é a metáfora perfeita que ele utiliza pra designar o racismo dos EUA entre o final do século XIX e o século XX. O muro que separava as oportunidades entre brancos e Negros. 

O "Véu" do racismo barra nosso progresso e limita nossas oportunidades, por mais que estejamos lutando contra ele há tanto tempo. Com esta analogia, DuBois afirmava que, não importa o quanto você seja uma pessoa boa no que faz, que possua caráter, dinheiro ou fama, a primeira coisa que muitas pessoas notarão e usarão contra você, se possível, é a cor da sua pele. É a primeira coisa que chega aos olhos de quem não te conhece. Foi o que justificou a escravidão por tantos séculos e o que autoriza as incursões violentas da polícia nas comunidades mais periféricas, enquanto o mesmo não acontece nos bairros mais nobres.

Um exemplo da "sombra do Véu" são os sistemáticos ataques a personalidades Negras que possuem algum tipo de projeção na mídia, como várias atrizes brasileiras e jogadores de futebol. A fama e o sucesso não os imunizaram contra o racismo. Nos Estados Unidos, Colin Kaeparnick, jogador de futebol americano, e Serena Williams, a maior tenista da história, também são alvos constantes. Outro bom exemplo é o "barulho" que muita gente faz por causa da política de cotas nas universidades e concursos públicos, mesmo que este sistema se justifique pelo déficit de pessoas Negras nestes espaços.

Outro ponto que merece destaque no livro são as Sorrow Songs, as "músicas de lamento" cantadas pelos trabalhadores Negros dos campos de algodão durante a escravidão, que sobreviveram e se reinventaram, dando origem a vários estilos musicais majoritariamente Negros, como a música Gospel, o Blues, o Jazz e o Rock. Ao início de cada capítulo, Du Bois traz um verso de alguma Sorrow Song.

Du Bois dizia que "o problema do século XX é o problema racial". Quase 50 anos após sua morte, este problema continua! Sigamos rasgando todos os Véus!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Como Ras Tafari, imperador etíope, passou a ser adorado na Jamaica

A coroação de Haile Selassie, em 1930, foi um evento global.

Quando se fala em rastafáris, provavelmente a primeira imagem que vem à cabeça de muitas pessoas é a do rei do reggae Bob Marley e seus rastas icônicos.
Mas além do famoso artista, há outro homem ainda mais importante no coração deste movimento - Ras Tafari. Esse foi o nome do último imperador da Etiópia, nascido em 23 de julho de 1892, mas ele adotou o nome real de Haile Selassie ao ser coroado.
Para os rastafáris, ele é Deus (Jah) encarnado, o messias redentor.
Mas como um imperador da Etiópia, cuja capital está situada a quase 13 mil quilômetros de Kingston, se tornou adorado na Jamaica?
O vínculo entre os dois, na verdade, está relacionado a um grupo de jamaicanos pobres que acreditavam que a coroação de Ras Tafari era o cumprimento de uma profecia e que ele era seu redentor, o messias: o "Rei dos reis, Senhor dos senhores".
Eles acreditavam que seriam libertados pelo imperador, que os tiraria da pobreza no Caribe e os levaria à África, a terra dos seus antepassados e um centro espiritual para os jamaicanos.

Quem era Ras Tafari?

Tafari era filho de um colaborador do imperador Menelik II, um dos governantes mais importantes da história da Etiópia, e casou-se com uma de suas filhas, Wayzaro Menen.
Desde a infância, sua inteligência chamou a atenção do imperador, que o ajudou a seguir carreira política. Quando a filha de Menelik II, a imperatriz Zauditu, morreu em 1930, seu protegido foi coroado imperador.
A coroação de Haile Selassie foi um evento esplendido e contou com a presença de autoridades do mundo todo.
Na época, o jornal The New York Times especulou que as celebrações haviam custado mais de US$ 3 milhões (R$ 9,5 milhões, em valores atuais). A revista Time dedicou a capa ao novo imperador, que logo se transformou em um fenômeno global.
Pouco depois da coroação, Selassie encomendou a primeira constituição escrita da Etiópia, que restringia em grande medida os poderes do parlamento.
Na prática, ele era o governo da Etiópia.
Segundo a constituição, a sucessão ao trono se restringia somente aos seus descendentes, e a pessoa do imperador era "sagrada, sua dignidade, inviolável e seu poder, indiscutível".
Mas, na Jamaica, Selassie estava se convertendo em algo mais do que um poderoso imperador.

A profecia de Marcus Garvey

O jamaicano Marcus Garvey nunca foi um rastafári, mas é considerado um profeta para os seguidores da religião.

"Olhem para a África, onde um rei negro vai ser coroado, anunciando que o dia da libertação estará próximo". Essa é a profecia que deu início a toda história, e foi feita por Marcus Garvey.
Ele era um ativista jamaicano que lutou pela mudança política e social em uma ilha que havia sido um centro importante durante o período da escravidão.
Depois da abolição, em 1833, a vida não melhorou muito para os antigos escravos, nem para seus filhos ou para as gerações seguintes.
Ainda não está claro se o "rei negro" a quem Garvey se referia era uma pessoa real, mas o mais provável é que se tratasse de uma figura simbólica.
Mas, quando as notícias da coroação de Haile Selassie em 1930 chegaram à Jamaica, muitos dos seguidores de Garvey fizeram uma associação que lhes parecia lógica: Ras Tafari era rei, e, portanto, o dia da libertação estaria próximo. Isso significava que eles deveriam se preparar para um êxodo para a África.
Apesar de Marcus Garvey nunca ter sido um rastafári, ele é considerado um dos profetas do movimento, e suas ideias formaram a filosofia rastafári.
"O 'garveyismo' se converteu em um tipo de nacionalismo militante que deu aos negros um sentido de identidade com o conjunto da África, numa época em que a independência estava em evidência", afirma Jabob Bauman, em uma publicação da Universidade do Estado de Washington, nos EUA.
Atualmente, as crenças dos rastafáris são muito diferentes.
Enquanto os primeiros seguidores da religião procuravam um retorno à África, declaravam que seu único deus era Haile Selassie e que a Etiópia era o verdadeiro Sião (sinônimo de terra de Israel, ou terra prometida), hoje muitos dão mais importância a um retorno "espiritual".
Segundo o autor da Enciclopédia Global das Religiões, Stephen Glazier, o movimento rastafári se converteu em parte a um estilo de vida, mais que uma religião, e as práticas também variam muito. Entre elas, se destacam o consumo ritual da maconha (ganja) e o reggae.

Visita à Jamaica

Selassie abandonou a Etiópia após a invasão de Mussolini e passou quase seis anos exilado.

 

Poucos anos após a coroação de Haile Selassie, a Etiópia se envolveu em uma guerra terrível. Em 1935, o líder italiano Benito Mussolini invadiu o país e Selassie partiu para o exílio.
Ele ficou cinco anos fora do país e somente em 1941 foi restituído como imperador, com a ajuda da Grã-Bretanha.
Em 21 de abril de 1966, ele finalmente visitou a Jamaica - e mesmo 36 anos depois de sua coroação, o entusiasmo dos rastafáris seguia intacto, com uma nova geração de adeptos que cultivavam a ideia de um êxodo para a o continente africano.
Selassie foi tomado pela recepção eufórica, e não fez nada para dispersar crenças sobre sua suposta condição divina. Garvey já estava morto, e suas críticas a Selassie por deixar o país em tempos de guerra já haviam sido esquecidas na Jamaica.
Mas no resto do mundo o julgamento sobre ele não foi unânime - embora Selassie quisesse projetar uma imagem de um imperador progressista, ele também enfrentou acusações de ser um ditador ganancioso.
Entre a multidão que apareceu para honrar e receber seu "Redentor", estava a esposa de um músico jamaicano de 21 anos, que tinha acabado de formar uma banda chamada The Wailers.
Seu nome era Robert Nesta Marley.

O rasta mais influente


Capa do disco Catch a Fire, de 1973.

Bob Marley foi o rastafári mais influente da história.
Ele nunca se classificou como profeta, embora muitas suas canções fossem consideradas com um caráter profético, e também nunca foi um líder, embora os seguidores o tratassem como tal.
Dois dos discos mais importantes da carreira de Marley - Catch a Fire, de 1973, e Natty Dread, de 1975, foram sucesso de vendas e estavam cheios de símbolos e motivos do rastafarianismo.
Na época do lançamento de Rastaman Vibration, em 1976, havia rastafáris em quase todas as cidades britânicas e em muitas partes dos Estados Unidos.
Jovens negros usavam o cabelo com os mesmos dreadlocks de Marley e vestiam roupas com as cores da bandeira etíope: verde, amarelo e vermelho.
Enquanto seus pais eram na maioria cristãos, jovens negros em cidades como Londres começaram a ser atraídos por uma teologia diferente, que incorporava a crítica política.

'Mentiras de Babilônia'


Selassie foi uma figura controversa: era venerado, mas também criticado por ganância

Enquanto isso, as coisas se complicavam para Selassie na Etiópia. Em 1973, uma forte crise de fome matou cerca de 200 mil etíopes.
Um ano depois, um grupo de militares do Exército com uma agenda marxista chamado Derg destronou o imperador após um golpe militar. Ele morreu em 1975, doente e encarcerado.
Sua morte foi descrita por seus seguidores como uma "desaparição", já que eles se negavam a acreditar que Selassie havia morrido.
E quando se falava sobre ele, a comunidade rastafári usava frequentemente a frase "mentiras de Babilônia". Muitos acreditavam que a estrutura dominada por brancos - chamada por eles de "Babilônia", havia espalhado uma mentira para tentar debilitar o crescente movimento rastafári.
Outros simplesmente rechaçaram a notícia afirmando que Jah, o nome rastafári para Deus, havia apenas ocupado temporariamente o corpo de Selassie. A morte "corporal" do imperador era tida como um sinal de que Jah não era apenas um ser humano, mas também um ente espiritual.
Uma terceira interpretação - e a mais aceita entre os rastafáris - se refere ao conceitos sobre a unidade essencial de toda a humanidade. Segundo esse princípio, ainda que habitemos corpos distintos, todos estamos unidos espiritualmente.
Pode ser que Haile Selassie já tivesse partido, mas vê-lo como um único deus é uma interpretação errônea do significado do rastafári: seu espírito está em todos nós e não pode ser extinto.
Segundo eles, desde que nascemos, somos todos corpos efêmeros, mas nossas almas seguem vivendo.
Fonte: BBC Brasil

quarta-feira, 29 de março de 2017

Verde, Amarelo e Vermelho



Somos mais, somos mais
Que as fronteiras artificiais

Somos mais, somos mais         
Que as fronteiras artificiais   

Que nos separam, nos dividem, dilaceram, como se não tivéssemos opção
Que matam a nossa cultura, colonizam nosso povo
E justificam a escravidão

Tentaram nos manipular, nos fazer acreditar
Que era um mal necessário
Que aliados milenares, quase em todos os lugares
Eram nossos adversários

Somos mais, somos mais
Que as fronteiras artificiais

Somos mais, somos mais         
Que as fronteiras artificiais   

Somos ligados pela nossa trajetória, juntos fomos arrancados de África
Galhos de uma mesma árvore, sementes espalhadas pela diáspora

Empodere-se, levante-se
Porque morrer de pé é melhor que viver de joelhos
União, prosperidade, Ubuntu, felicidade

Verde, amarelo e vermelho


sábado, 18 de março de 2017

Morre Chuck Berry, o "pai" do Rock And Roll, aos 90 anos


Chuck Berry, uma das lendas do rock n' roll, morreu neste sábado aos 90 anos. A informação foi confirmada pela polícia do Missouri, que respondeu a um chamado de socorro na casa de Berry, mas o guitarrista já não respondia mais aos cuidados médicos.
Ainda de acordo com a polícia, a família de Berry pede privacidade "neste momento de luto". A causa da morte deve ser confirmada posteriormente.
Muito antes de Elvis Presley, Chuck Berry já fazia Rock.
Natural de St. Louis, no Missouri, Charles Edward Anderson Berry começou a tocar ainda novo, e já se apresentava em público quando cursava o ensino médio. Depois de ser mandado para o reformatório entre 1944 e 1947 por assalto a mão armada, casou-se e começou a trabalhar numa fábrica automotiva. Influenciado no início dos anos 1950 por blueseiros como T-Bone Walker, aventurou-se em trios e parcerias até chegar a Chicago em 1955, onde fez os contatos que lhe permitiriam seguir profissionalmente na música.
Numa época em que a música negra dos EUA se fazia com variações de blues, Chuck Berry começou a inovar trazendo para o R&B seus solos de guitarra e letras que falavam do dia a dia dos jovens, além de seu jeito único de performance, que mais tarde serviria de influência a outra geração, a de Elvis Presley. Até hoje rádios no mundo todo tocam as versões de Berry para clássicos do começo do rock, como "Maybellene" (1955), "Roll Over Beethoven" (1956), "Rock and Roll Music" (1957) e "Johnny B. Goode" (1958).