domingo, 26 de abril de 2015

Obrigado, Alemanha!

"Certamente, a criatura mais injustiçada na história do futebol brasileiro. Era um goleiro magistral. Fazia milagres, desviando de mão trocada bolas envenenadas. O gol de Ghiggia, na final da Copa de 50, caiu-lhe como uma maldição. E quanto mais vejo o lance, mais o absolvo. Aquele jogo o Brasil perdeu na véspera" (Armando Nogueira)

Neste 26 de abril, em que é celebrado o Dia do Goleiro, presto homenagem a Moacir Barbosa, o goleiro mais injustiçado do futebol brasileiro. Campeão Sul Americano invicto com o Vasco um ano antes, foi "escolhido" pela imprensa como o único culpado da derrota para o Uruguai, na final da Copa do Mundo de 1950, o famoso "Maracanazo", como se alguém ganhasse ou perdesse uma copa sozinho. 
Se não é fácil ser Negro em 2015, mesmo com todas as políticas de Ações Afirmativas e com a criminalização do racismo, tente imaginar quão difícil devia ser Negro entre as décadas de 1940/50.
Barbosa costumava dizer que a pena máxima no Brasil era de 30 anos, mas ele já parecia estar cumprindo prisão perpétua, e acabou carregando essa "culpa" até o dia de sua morte, 7 de abril de 2000.
Que bom que a Alemanha meteu esses 7x1 no Brasil na última copa! Assim, finalmente, Barbosa pode descansar em paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário